Fui funcionário público durante 31 anos. Até hoje estou sindicalizado, com contribuição em dias, na ASALP, no SEPUB e no SINDALEPA.

Foram e são muitas lutas desenvolvidas em defesa das condições de trabalho, de salários dignos e de valorização dos servidores, principalmente depois da implementação do neoliberalismo na desconstrução do Estado enquanto promotor e indutor de desenvolvimento econômico e direito social.

A luta de nós funcionários públicos vai além da defesa de nossos direitos, enquanto categoria seja em âmbitos nacional, estadual ou municipal. Tem como sentido estratégico a defesa do público, do bem público, do espaço público, do direito público, das garantias de condições materiais e culturais do povo.

Nesses tempos difíceis de desconstruções, mentiras oficializadas e políticas de morte e destruição, a luta de resistência em defesa da democracia e da coisa pública é um ato de grande importância.
É uma árdua luta de trincheiras, pois o inimigo está nos principais postos de comando contra a vida, contra o conhecimento, contra o trabalho, contra o desenvolvimento, contra os direitos sociais, contra a natureza, contra a pátria. São inimigos do Brasil e de seu povo.

Essa data que homenageia os funcionários públicos, transforma-se em dia de luta contra a Reforma Administrativa, que tem como objetivo fragilizar ainda mais a estrutura do Estado voltada para o bem comum e direitos sociais; deixá-lo totalmente subserviente aos interesses dos governos neoliberais de plantão; desorganizar o mínimo que garante a saúde, a educação, a segurança, o investimento público, os dados reais e planejamento, o emprego, a renda, os programas sociais, o meio ambiente; criando um exército de subalternos sem compromisso com a Res Publica e sim escravos do capital financeiro.

A luta contra a Reforma Administrativa tem o mesmo sentido da luta em defesa da soberania, da democracia, da Constituição de 1988, contra a Reforma Trabalhista e da Previdência, contra o Teto de Gastos e contra o fascismo e seus defensores.

É a luta pelo Brasil contra a sanha do capital financeiro e seu neoliberalismo. É a luta da Classe Trabalhadora e do povo brasileiro contra os traidores da Pátria e destruidores da Nação.

Érico Leal